Translate

terça-feira, 5 de junho de 2018

6 dias sem ritalina

Resumo do dia!

Acordei com Iza!

Não fui pro conselho tutelar!

Fui na mercearia comprar absorvente e acerola pra minha mãe, perguntei "e hoje tem absorvente? " kkkkkkk pq la sempre falta acerola, queria saber da acerola. kkkk

Fui da aula pra peste e quando fui beber da água que ela trouxe, senti um goato de álcool, a peste da Gisele colocou vinho branco dentro da água. Capetaaaaa kkkk

Formação linda apesar da falta da Raquel  Coelho, Rejane Vasconcelos se garantiu na Ufc hoje.

Depois fumei um com uma pessoa que encontrei por acaso. Noite mágica!

Terminei a noite com Iza!

Obs. to com dor de barriga

terça-feira, 22 de maio de 2018

Vamos conversar sobre DSM?

Recebi diagnósticos que até hoje não facilitaram minha vida, pelo contrário,  me discriminam, me estigmatizam, me excluem, não é por acaso que estou de modo anônimo. O sofrimento psicológico, o adoecimento psicológico é um processo que nos revitimiza, que nos nos submete a um anonimato como se fôssemos infratores da lei. Temos de vergonha de sentir na pele, de adoecer por conta das mazelas do meio, do mundo que nos nos cerca.

Sou complexa ou sou doente?

Quantos anos sobreviverei?

Não me adapto!

E agora?

As drogas me ajudam a enfrentar as mazelas do mundo, as desumanidades, me anestesiam...

Quantos anos ainda seguirei?

Vi de perto o sofrimento humano, vivi, senti, às vezes me pergunto? Mas será que sou humana?! Não me aceitam, não me compreendem, será que faço parte?!

2018

2018 - O ano do recomeço!

O ano da aprendizagem!

O ano da liberdade! 

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Meu Ritalina de cada Dia

oi, tem alguém aí? 

Queria indicar um documentário que acabei de encontrar no Netflix, chama-se "Take your pills", estou assistindo há meia hora, mas fiquei ansiosa por comentar aqui, tem tudo a ver com o meu momento, meus vícios e de milhares de pessoas. "Antes as drogas eram usadas para distrair, agora são usadas para concentrar" para ser produtivo, um perfeito capital humano. Quero um documentário que mostre as consequências desse uso, mas elas ainda estão acontecendo. Eu nunca tive dúvidas de que não preciso dessa droga, tanto que respondo quando me perguntam, uso ritalina não porque sou doente, mas pq tento ficar em um ritmo aceitável pela sociedade, pois o meu não é aceito, não é compatível, não é de longe um ritmo que me faça um belo capital humano, minha família por exemplo não me deixam esquecer isso, e não os culpo, porque foi isso que eles aprenderam, para eles, se você não é capaz de competir e ganhar muito dinheiro, você não tem valor não importa o quanto estudou e o quanto mudou o ambiente ao redor. Então foco na produção, fazer o máximo no menor tempo possível... é lei para minha família e para a cultura reinante.

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Voltando...

Estou em um momento delicado de persistir nas minhas evoluções ou regredir e acabar em mais uma depressão. Tive lindos 3 meses de vida que terei oportunidade de contar aqui, foram 3 meses de quebra de algemas, quebra de paradigmas, de lutar contra minhas repressões, lutar contra meus medos e tudo aquilo que me fazia calar e involuir como ser humano. Foi uma fase tão intensa que muito se assemelha a minha fase hipomaniaca segundo os psiquiátricas, mas, gente ali não era um ser diferente, uma doença agindo, ali era eu em meu modo mais autênticos genuíno, livre, saudável e tranquilo. Eu estava em paz. O outro não pertubava o meu espírito, eu comecei a olhar pra dentro de mim... e agora de repente o peso do outro parece começar a me rondar novamente, tenho desconfianças dos motivos, mas não posso mais regredir. Quero meu eu livre de amarras de volta, quero meu eu cheio de esperanças de volta. Conheci pessoas incríveis e também pessoas que me decepcionaram, devido às minhas falsas expectativas, amei todas elas, com todas aprendi. Tenho muito o que contar, não quero voltar aquele tempo onde a única coisa que eu fazia era chorar, não quero, não me permito! Se tiver alguém aí saiba que não está sozinha, o que não me falta é empatia, aliás é por causa justamente dela que eu venho me lascando há anos na vida, mas não abro mão, não me arrependo, essa sou eu. Muita grata Helen pelo seu e-mail. Beijo imeeenso da cearense Natasha ;)